História

O território venezuelano foi um dos primeiros territórios habitados pelo homem na América do Sul. Antes da chegada dos europeus, a Venezuela era habitada por vários povos como os índios Caribes, os Aruaques e os Cumanagatos.

Cristóvão Colombo, em 2 de Agosto de 1498, chega à costa venezuelana durante a sua terceira viagem ao continente americano. Apesar de Venezuela ter sido descoberta por Colombo, foi Alonso de Ojeda quem explorou o país, navegando ao longo do mar do Caribe até o lago Maracaíbo. O navegador deu o nome de Venezuela (pequena Veneza) ao país devido à semelhança entre as palafitas indígenas e a cidade Veneza.

     clip_image002                            clip_image004

        Cristóvão Colombo                                          Alonso de Ojeda

Em 1502, foi fundada por Ojeda, a primeira cidade venezuelana, Santa Cruz.

Em 1520 iniciou-se a colonização espanhola, incidindo nas ilhas e na região costeira. Em 1528, Carlos V, como garantia de empréstimos recebidos, concebeu a exploração e a colonização da província da Venezuela aos Welser, família de banqueiros alemães. Na segunda metade do século XVI, verificada a inexistência de metais preciosos, os colonos espanhóis dedicaram-se à agricultura (cacau, algodão, tabaco, café, cana-de-açúcar), à criação de gado e à exploração mineira.

Em 1567 foi fundada a cidade de Caracas, que se tornaria o centro mais importante do país. Mais tarde, em 1591, foi desmembrada a província de Trinidad da Venezuela.

Entre 1643 e 1636 as ilhas de Aruba, Curação e Bonaires foram perdidas para os holandeses.

No início do século XVIII, o país desenvolveu-se cultural e economicamente.

Ao invés do México e do Peru, que possuíam muitas riquezas (ouro e prata), as províncias da Venezuela não eram muito importantes para Espanha. As cinco províncias (Venezuela, Cumaná, Mérida ou Maracaibo, Margarita e Guayana), inicialmente, dependeram de Santo Domingo, em seguida de Santa Fé de Bogotá, que foram posteriormente elevadas à categoria de Vice-Reinado.

             clip_image005

O cultivo de maior importância foi o do cacau. A partir de 1620, o cacau foi um produto agrícola de grande importância na exportação. Para o seu cultivo vieram muitos imigrantes da Espanha, particularmente das Ilhas Canárias. Mais tarde, perante a necessidade de mais trabalhadores, foram trazidos escravos negros da África.

                                   clip_image006

Em 1717, a Venezuela é integrada no Vice – Reinado de Nova Granada. Torna-se uma capitania – geral do Império Espanhol em 1776.

Em 1809 dá-se a primeira revolução independentista chefiada pelo general Francisco de Miranda. A independência foi proclamada a 5 de Julho de 1811. A acta da independência denominou o novo Estado como conferência americana da Venezuela. No entanto, esta I república teve uma vida efémera. O terramoto de 26 de Março de 1812, ocorrido em Caracas, provocou 10 000 mortos. Esta catástrofe facilitou a capitulação perante o general realista Domingo de Monteverde que restabeleceu o domínio espanhol. A partir de então, o movimento teve como principal líder Simón Bolívar. Devido à derrota das tropas realistas, em 1813, Bolívar é proclamado comandante dos exércitos patriotas e libertador da Venezuela.

        clip_image008                  clip_image010

           Francisco de Miranda                           Simón Bolívar

O II congresso venezuelano, em 1820, aprovou a constituição da República da Grande Colômbia, que compreendia a Venezuela, a Colômbia, o Equador e o Panamá. Tinha como presidente Bolívar e vice-presidente Roscio e Santander. Em 1830, o Congresso de Valência separou definitivamente a Venezuela da Grande Colômbia e desterrou Bolívar. Com a fragmentação da Grande Colômbia, inicia-se o período denominado Quarta República. No período de 1830 a 1848, a Venezuela é governada por uma oligarquia conservadora. Em 1831, o congresso nomeia José Antonio Páez, caudilho do processo independentista, presidente da nova república da Venezuela. Páez exerce o cargo de presidente até 1848. O seu governo representou, para a Venezuela, uma fase de estabilidade, na qual se reconstruiu a economia, enfraquecida devido à guerra. Em 1840, Antonio Leocadio Guzmán funda o partido Liberal, cuja base social era a burguesia média que reivindicava a extensão do direito ao voto e a abolição da escravatura. De 1848 até 1858, a Venezuela é governada alternadamente pelos irmãos José Tadeo e José Gregorio Monagas. Estabeleceram um regime ditador que limitava a acção do Congresso.

clip_image012   clip_image014    clip_image015

          José Antonio Páez                  José Tadeo Monagas       José Gregorio Monagas

A revolução de 1858, dirigida por Jullián Castro, conduz a um período de instabilidade do país. Inaugurou-se um período de agitação política com as guerras federalistas (1858-1863) entre os conservadores centralistas e os liberais federalistas.

O liberal Antonio Guzmán Blanco governa a Venezuela em três períodos: o Septênio (7 anos, 1870 a 1877), o Quinquênio (5 anos, 1879 a 1884) e o Biênio (2 anos, 1886 a 1888). Blanco luta contra o analfabetismo e a influência da Igreja. Em 1881, levou a cabo a reforma constitucional que reduziu o mandato presidencial para 2 anos e proibiu a reeleição. Ao seu governo seguem-se pequenas ditaduras militares. As eleições presidenciais de 1898 deram a vitória a Ignacio Andrade, que um ano mais tarde foi derrubado pelo general Cipriano Castro. Em 1899, Cipriano Castro apodera-se da presidência, pondo em prática uma política agressiva que levou, em 1902, a um bloqueio e ataque dos portos da Venezuela para a Inglaterra, Alemanha e Itália.

      clip_image017                  clip_image019

      Antonio Guzmán Blanco                                Cipriano Castro

Juan Vicente Gómez, vice – presidente de Castro, toma poder em 19 de Dezembro de 1908, governando o país até a morte (17 de Dezembro de 1935).

                                clip_image020

                                     Juan Vicente Gómez

Em 1922, iniciou-se a exploração das jazidas de petróleo da Venezuela. Entre 1929 e 1931, a Venezuela foi governada por Juan Bautista Pérez. Na década de 30, o país passou a ser o segundo produtor mundial de petróleo. As condições vantajosas oferecidas por J. B. Pérez atraíram companhias estrangeiras, que passaram a controlar a exploração petrolífera. Com a morte de Gómez termina o período designado por “Caudilhismo” para iniciar a transição em direcção à democracia.

O general Isáias Medina Angarita assume o poder em 1941. Após a queda da ditadura de Isáias Angarita, Rómulo Betancourt do partido Acción Democratica (AD), torna-se presidente provisório até as eleições de 1947. Betancourt é derrubado, em 1948, por um golpe de Estado.

    clip_image022            clip_image024

       Isáias Medina Angarita                               Rómulo Betancourt

Em 1953 instala-se a ditadura de Peréz Jiménez, que dura até 1958.A época de Jimérez caracteriza-se pela modernização da capital.

Em 1959, a Venezuela torna-se uma república democrática.

De 1959 a 1964, Rómulo Betancourt, líder da AD, exerce um mandato completo. O seu segundo governo caracterizou-se por um esquerdismo mais moderado, que permitiu a colaboração da AD com o partido político Comité de Organización Política Electoral Independiente (COPEI) e ampliou a base social do governo democrático. Lançaram-se planos de modernização agrícola e industrial e de promoção da saúde e da educação. Em 1963, Bentacourt foi sucedido pacificamente por Raúl Leoni, que ganhou por uma pequena margem de votos.

As eleições de 1968 foram vencidas pela oposição social – cristã, que instituiu na presidência o seu dirigente, Rafael Caldera, líder da COPEI. Rafael Caldera trouxe ao país uma estabilidade política e económica.

                              clip_image026

                                      Rafael Caldera

As eleições de Dezembro de 1973 deram o poder a Carlos Andrés Pérez, líder da Acción Democratica. O seu mandato terminou em 1979.

                                clip_image028

                                   Carlos Andrés Pérez

O agravamento da crise económica devido à queda dos preços do petróleo no mercado internacional persistiu durante o governo do social – cristão Luis Herrera Campíns, eleito em 1978.

Em Dezembro de 1983 foi eleito Jaime Lusinchi, que se comprometera a lutar contra a corrupção e a crise atravessada pelo país devido à elevada dívida externa e à queda do preço do petróleo no mercado internacional.

Carlos Andrés Pérez foi eleito novamente presidente em 1988. Pérez adoptou uma política de austeridade financeira, que aumentou a renda per capita do país, aprofundando as desigualdades na distribuição da renda.

Em 1992, o coronel Hugo Chavéz tenta efectuar um golpe de Estado, mas é mal sucedido. Hugo Chavéz, candidato do movimento Quinta República, vence as eleições presidenciais de 6 de Dezembro de 1998, com 56 % dos votos. Chavéz promete modificar o Legistalitvo, moralizar a administração pública e promover uma redistribuição da renda nacional. No dia 25 de Abril de 1999, os venezuelanos aprovam, com 92 % dos votos, a proposta de criar uma assembleia que redigisse uma nova Constituição. A nova Constituição aumentou o mandato presidencial de 5 anos para 6 anos e passou a permitir uma reeleição consecutiva. O Senado e o Congresso foram extintos e substituídos por uma nova instituição unicameral, a Assembleia Nacional. Nas eleições de 2000, Hugo Chavéz foi reeleito para governar durante o período de 2001 a 2007. Em 2006, foi novamente reeleito para o sextiênio 2007-2013.

                     clip_image030

                                        Hugo Chavéz

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_venezuela, captado no dia 20 de Fevereiro de 2008 às 14 horas e 22 minutos

http://pt.wikipedia.org/wiki/Venezuela, captado no dia 20 de Março de 2008 às 14 horas e 50 minutos

http://www.brasilescola.com/geografia/venezuela2.htm, captado no dia 20 de Março de 2008 às 14 horas e 34 minutos

http://www.ciberamerica.org, captado no dia 19 de Fevereiro às 12 horas e 22 minutos

http://www.prof2000.pt/users/anamartins/FLUP/LPO/Venezuela/index.html, captado no dia 19 de Março de 2008 às 13 horas e 38 minutos

Lexicoteca (1988 ) Moderna Enciclopédia Universal (Colcção Lexicoteca, vol. 18, ed. 1634, p.139-140). Círculo de Leitores

Venezuela. In Infopédia. Porto: Porto Editora, 2003-2008. [Consult. 2008-03-01].

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: